Você sabe a diferença entre ‘blends’ proteicos e whey protein?

//Você sabe a diferença entre ‘blends’ proteicos e whey protein?

Você sabe a diferença entre ‘blends’ proteicos e whey protein?

*Por Luciano Bruno, Alessandra Feltre, Felipe Donatto e Luana Rocha, nutricionistas convidados pela BSN

O exercício físico praticado regularmente com intensidade moderada provoca alterações na composição de proteínas do músculo, resultando no aumento tanto da produção quanto da quebra proteica. Uma dieta deficiente em calorias, em macro e/ou em micronutrientes pode impedir as adaptações fisiológicas do atleta ao treino. Além disso, manter uma alimentação que não atinge as recomendações de nutrientes adequadas pode levar à perda de massa muscular e à diminuição da força, aumento da suscetibilidade a doenças e queda imunológica.

Atualmente, o mercado da suplementação dietética possui uma infinidade de opções de fontes proteicas. Dentre elas, temos as proteínas em forma de “blend”, que significa uma mistura de diferentes fontes de proteínas no mesmo produto. Essa característica oferece uma absorção diferenciada quando comparada às proteínas isoladas. Isso porque os “blends” possuem em sua composição whey protein, proteína isolada do leite, albumina e caseína.

Por apresentar essa “mistura” de diferentes proteínas, a sua absorção é mais lenta quando comparada à da proteína isolada, além de possuir o benefício de suportar por mais tempo a concentração de aminoácidos pós-treino, sem ter a necessidade de realizar uma refeição sólida logo em seguida.

Na literatura científica, a maior parte das pesquisas é feitas com whey protein, e sabemos que a absorção é mais rápida, porém o tempo que a proteína fica disponível no sangue também é curto. Dessa forma, a whey protein é adequada para o pré e pós-treino, porém é recomendado que haja uma refeição sólida depois de 30-60 minutos para suportar a recuperação muscular.

Conforme um trabalho recente de Reidy e colaboradores (2014), a absorção prolongada dos “blends” proteicos pode prolongar o tempo em que os aminoácidos ficam disponíveis no sangue, aumentando a demanda para os músculos e prolongando a atividade de síntese proteica por mais tempo, tendo um resultado ótimo de recuperação muscular, e, consequentemente, de ganho muscular.

Nos dias atuais, com o excesso de atividades fica difícil manter a qualidade alimentar.

A utilização dos “blends” pode ajudar a manter as concentrações de nutrientes disponíveis para os músculos e também pode ajudar na saciedade. O nutricionista esportivo pode prescrever a dieta com opções mais práticas para o dia a dia, sem esquecer a qualidade nutricional.

Por |2018-11-07T20:25:46-02:0015/06/2016|

Sobre o Autor: