“Muitas pessoas me perguntam onde acontecem meus treinos de ciclismo, pois na maioria das vezes muitos acham que é numa pista como o atletismo, mas não é. Faço meus treinos de duas maneiras diferentes: ou treino na rua no rolo de treinamento.

Quando digo que treino na rua, é na rua mesmo! No asfalto, no acostamento junto com o trânsito. Claro que procuro lugares mais seguros e sempre estou sinalizada (a handbike tem uma bandeirola grande e na altura dos carros para chamar a atenção). No entanto, encontrar um lugar seguro e com boas condições para treinar não é uma tarefa fácil e eu mesma já me mudei de cidade duas vezes por conta disso.

Já o treinamento do rolo é indoor, ou seja, faço dentro da academia ou em casa mesmo. É como um simulador em que minha handbike é “fixada” no rolo. Deixa eu explicar melhor: a roda da frente (que é a roda que gira quando movimento o pedal) fica apoiada em um rolo que gera resistência como se eu estivesse na rua. Poderia dizer que é bem parecido com uma bicicleta ergométrica de academia, só que na minha própria handbike. Se você não sabe, o rolo de treinamento é um método comum para o ciclismo também. E contribui muito para o meu treinamento. Aqui você pode conferir um vídeo do treinamento.

Mas aí surge uma outra pergunta: quando os treinos são na rua e quando eu treino no rolo?

Bem, na maioria das vezes, a preferência são os treinos na rua. As competições acontecem nas ruas, então essa vivência é muito importante. No entanto, nem sempre é possível fazer todos os treinos na rua. Quando está chovendo, por exemplo, não me arrisco a sair, por motivos de segurança e de cuidado com o meu equipamento, mas também não posso deixar de treinar, então a solução é rolo. Outra situação em que prefiro optar pelo treinamento indoor é quando preciso fazer um treino intervalado, muito específico, em que é importante cumprir os tempos determinados pelo meu treinador e nessa hora o trânsito pode atrapalhar, pois, às vezes, preciso reduzir para um carro e se isso acontecer no meio de uma série de tiros, vai tudo por água abaixo.

Mas vou confessar: se pudesse escolher, nunca treinaria no rolo! Imagina passar mais de 2 horas treinando “parada”…? É uma prova de fogo! Não tem filme, vídeo, música que faça a hora passar mais rápido. Gosto mesmo é de estar na rua, sentindo o vento no rosto, no meio do trânsito, descobrindo a cidade, fazendo cada dia um percurso diferente… Mas nem tudo são flores na vida de um atleta e tenho consciência que, para atingir meus objetivos e ir além das estatísticas, preciso me submeter a esforços que um outro não faria.

É isso aí, galera da Bodytech. Mais uma vez obrigado por todo o apoio e pela torcida. Continuem incentivando com mensagens e curtidas lá no meu Instagram. E quem sabe você não vai treinar um dia comigo lá na Bodytech do Sudoeste em Brasília?”

*Jady Malavazzi é atleta de Ciclismo Paralímpico, categoria Handbike H3. Prata nos Jogos ParaPan-Americanos de Guadalajara, tetracampeã brasileira (2011 a 2014) e Top 10 no ranking mundial da modalidade. Ela será a representante do Brasil nos Jogos ParaPan-Americanos de Toronto 2015 (agosto) e está pré-convocada para os Jogos Paralímpicos Rio 2016. Acompanhe a Jady nas redes sociais (@jadymalavazzi no Instagram ou sua fanpage Jady Malavazzi).