Treinamento integrado: aqueça de um jeito novo

//Treinamento integrado: aqueça de um jeito novo

Treinamento integrado: aqueça de um jeito novo

Que tal começar o treino de uma maneira diferente? A combinação esteira e alongamento para ir direto puxar uns ferros é a mais comum na rotina das academias, mas nem sempre precisa ser assim, sabia? Existem outros métodos de preparar os músculos para treinar pesado, oferecendo maior amplitude de movimentos e performance, e um deles é o Treinamento Integrado.

Se essa linha de treinamento é uma novidade para você, a partir de agora não vai ser mais. Nesse tipo de treino, que já começa no esquenta, é possível trabalhar funcionalidades e ainda explorar diversas capacidades que o seu corpo nunca tinha imaginado fazer. Isso acontece devido à liberdade de movimento em padrões como puxar, empurrar, rotacionar, mudar de nível e se locomover.

No Treinamento Integrado, a musculatura é reunida para promover a movimentação de uma forma geral. Ou seja, os músculos e articulações são estimulados para gerar mais estabilidade, equilíbrio, consciência corporal e força. Integração, intensidade e liberdade são as palavras-chave quando falamos dos benefícios diretos dessa forma de treino.

Mas, então, como funciona esse exercício? Na verdade, vamos corrigir para “exercícios”, pois são várias as possibilidades de realizar o treinamento. Ele começa no aquecimento usando a automassagem – técnica de pressionamento em pontos doloridos com uso de um instrumento que pode ser uma bolinha de tênis ou um foam roller -, passa pelo alongamento dinâmico e ativação, proporcionando aumento na performance, e chega aos movimentos padrões de treino.

A automassagem é o momento principal da preparação, pois torna os tecidos mais maleáveis e extensíveis. O segredo é localizar as áreas sensíveis e rolar o foam roller, por exemplo, sobre as regiões para diminuir a densidade e aumentar o fluxo sanguíneo no local.  E isso pode ser feito tanto antes, quanto depois dos treinos. Mas atenção: o uso é somente nos grupos musculares e jamais em articulações. A forma de autoacupressão no preparo da série normaliza a atividade muscular para um melhor aquecimento, já no pós ajuda a recuperar o desgaste causado pelos exercícios intensos.

“O treinamento integrado explora as capacidades coordenativas e condicionantes em todos os planos de movimento. Há um envio e recebimento de respostas entre o cérebro e os músculos com muito mais rapidez e isso ajuda muito na hora de realizar atividades diárias, esportivas e de reabilitação”, conta o professor e Master Trainer da BT Marcos Russo.

Quer saber se é possível praticar a automassagem em casa? A resposta é sim! O importante é aprender corretamente como se faz antes de se aventurar na modalidade. Marcos afirma que o ideal seria ter sempre um profissional para acompanhar o desenvolvimento da técnica, ainda mais se tratando de pessoas que se encaixam em grupos de risco, tais como diabetes, osteoporose, bursite e que façam algum tipo de terapia coagulante. Entretanto, os resultados do método são tão eficazes que, se dedicando a entender o passo a passo direitinho, dá para usá-lo com todas as suas funcionalidades.

Confira como fazer exercícios do treinamento integrado que preparamos com o apoio do professor Marcos Russo e do estagiário André Baker da Bodytech São Clemente, no Rio de Janeiro.

Automassagem:

F

Alongamento dinâmico:

Ativação:

Por |2019-05-07T15:26:07-03:0007/05/2019|