No universo da busca por uma vida mais ativa e saudável, o termo “fit” ganhou destaque. Contudo, a realidade é que ser “fit” nem sempre se traduz em ser verdadeiramente saudável. O blog da BT conversou com a nutricionista Sabrina Theil, para entender as nuances que separam o conceito de estar em forma do verdadeiro bem-estar. Aqui vamos explorar as diferenças fundamentais entre ser “fit” e ser saudável, desmistificando alguns dos equívocos que podem surgir no caminho de uma vida mais equilibrada. Afinal, saúde vai muito além da estética, e é hora de entendermos tudo que envolve esses dois conceitos tão presentes em nosso dia a dia.

Desvendando o ser “fit”

Na busca por uma forma física melhor, a expressão “fit” se tornou uma espécie de mantra. Mas será que estamos, de fato, trilhando o caminho certo? Sabrina, nutricionista e CEO da Doutora Fit, ressalta que se preocupar demais com a imagem corporal pode nos guiar por caminhos menos saudáveis e muita das vezes prejudiciais à saúde.

Associado frequentemente à conquista de uma composição corporal desejada, com menos gordura e mais músculos, o conceito de ser “fit” pode esconder armadilhas quando a preocupação excessiva se sobrepõe a aspectos cruciais para um equilíbrio genuíno de saúde. O mais importante é entender essas nuances, frisando que ser “fit” vai muito além da estética e exige um olhar atento para o bem-estar integral.

A busca pelo corpo “fit”

Em busca dos tão desejados objetivos, às vezes podemos acabar exagerando um pouco, não é mesmo? Seja com dietas mirabolantes, treinos exaustivos ou até mesmo recorrendo a substâncias que nem sabemos pronunciar direito. Só que os resultados podem ser mais chatos do que imaginamos: lesões, problemas alimentares, cansaço constante e até uma imunidade meio abalada.

Sabrina fala que ser “fit” tem seus limites. “É necessário encontrar o equilíbrio e começar a entender os sinais que nosso corpo nos dá” pontua a nutricionista. Além disso, é preciso dar uma atenção especial para o lado mental e emocional, afinal, meditar e relaxar também faz parte desse processo. Vamos com calma, que a saúde agradece!

Rotina saudável sem exageros é o ideal

A criação de uma rotina sustentável, sem exageros ou radicalismos, é peça-chave no quebra-cabeça da saúde. Sabrina Theil destaca que o processo de se manter saudável envolve vários pilares interconectados, como:

  • Alimentação balanceada: uma dieta equilibrada que fornece todos os nutrientes essenciais para o funcionamento adequado do corpo.
  • Sono de qualidade: a quantidade e qualidade do sono são essenciais para a recuperação física e mental.
  • Atividade física: exercícios regulares são essenciais para a saúde e o bem-estar.
  • Hidratação: a ingestão adequada de água é vital para as funções vitais do corpo.
  • Conexão social: relacionamentos saudáveis são fundamentais para a saúde mental e emocional.
  • Controle do estresse: gerenciar o estresse, equilibrando atividades produtivas com períodos de descanso, é importante na prevenção de doenças e melhora do humor.

A nutricionista enfatiza a importância de uma abordagem equilibrada que priorize a saúde na totalidade, e não apenas a estética. Então consultar um profissional da saúde, como um nutricionista, pode ser crucial para personalizar estratégias que se alinhem com as necessidades e objetivos individuais. Afinal, o verdadeiro significado de ser “fit” vai além da estética – é alcançar o equilíbrio entre um corpo saudável e uma mente resiliente.

Leias mais sobre o que pode e o que não pode quando se trata de alimentação saudável.