Quem nunca teve rinite ou sinusite? Mesmo sendo condições comuns, muitas pessoas não sabem as diferenças entre elas, nem o que fazer para tratar e prevenir. Aqui você vai descobrir tudo isso e como o exercício físico e a alimentação adequada podem ter grande influência nessa área da sua saúde. 

De acordo com a médica pediatra Fernanda Fragoso, do Grupo Prontobaby, a rinite se trata de um processo inflamatório na mucosa, provocado por vírus, bactérias, fungos ou alérgenos. Além da congestão e secreção, causa espirros repetidos e coceira nasal.

Já a sinusite é o processo de inflamação dos seios paranasais, que rodeiam os olhos, testa e maçãs do rosto. É provocada por vírus e bactérias ou em decorrência de alergias. A sinusite crônica, por outro lado, pode ser causada também por problemas anatômicos, como desvio de septo ou estreitamento da cavidade nasal e da drenagem dos seios paranasais. Os sintomas costumam ser mais graves que os da rinite: secreção espessa e esverdeada, dor de cabeça e na face, tosse, mal-estar e febre.

Atividade física

A prática de exercícios físicos de forma regular não só leva a um bom condicionamento cardiovascular, que é protetor contra doenças respiratórias, mas também ajuda no fortalecimento da imunidade, diminuindo os riscos de infecção. 

Contudo, manter a atividade física durante uma crise deve ser evitado. “Quadros alérgicos ou infecciosos, como uma sinusite, produzem muita secreção e podem atrapalhar bastante a prática.”, diz a médica. 

“Treinar com febre ou em estado febril também não é indicado, pois a regulação térmica do corpo fica prejudicada. Treinamentos muito intensos podem elevar ainda mais a temperatura corporal, o que pode ser prejudicial para o organismo”, complementa.

Tratamento

“O tratamento da rinite se baseia no seu tipo, mas é basicamente feito com antialérgico, corticoide nasal e soro fisiológico para lavagem nasal. Fazer higiene do ambiente é fundamental para o sucesso do tratamento.”, afirma. A médica ainda acrescenta que, no caso de rinite alérgica crônica, a imunoterapia também é recomendada.

Para se tratar a sinusite também são usados corticóides para desinflamar a mucosa, lavagem nasal e, apenas quando necessário, antibióticos.

Alimentação

Fernanda também conta que escolher os alimentos corretos pode fazer toda a diferença para tornar o organismo mais resistente a inflamações e contribui para estabilizar os sintomas:

Alimentos ricos em vitamina C 

  • Abacaxi: a fruta contém uma enzima chamada bromelina, que ajuda a dissolver o muco ou o catarro. 
  • Alho: considerado um anti-inflamatório natural que ajuda a melhorar o sistema imunológico
  • Cúrcuma: conhecida também como açafrão-da-terra, a cúrcuma é um potente alimento anti-inflamatório.
  • Mel: possui propriedades bactericidas, anti-inflamatórias e fungicidas, além de ajudar na expectoração.
  • Maçã: possui propriedades que melhoram o sistema imunológico, e a pectina, que ajuda a remover toxinas do organismo.
  • Peixes: os de água fria como salmão, atum e sardinha contêm ômega 3, que protege as vias aéreas e ajuda a combater inflamações.
  • Gengibre: possui propriedades descongestionantes e anti-inflamatórias.

Além de incluir os alimentos acima, é importante evitar o consumo de fast food, embutidos e bebidas alcoólicas. 

“Geralmente, esses alimentos possuem muitas gorduras saturadas, óleos, conservantes, açúcar refinado e outros ingredientes que podem prejudicar o sistema imunológico, aumentando as crises. Além disso, o álcool pode desencadear vasodilatação e obstrução nasal, piorando o mal-estar,” diz a profissional da saúde.

A médica também afirma que não há comprovação científica de que o leite, frequentemente acusado de piorar as crises, provoque sintomas respiratórios.