Por que o exercício é crucial na luta contra o câncer

//Por que o exercício é crucial na luta contra o câncer

Por que o exercício é crucial na luta contra o câncer

A vida moderna nos traz inúmeros benefícios, mas em contrapartida, muitos deles podem prejudicar lentamente a saúde. A busca de explicações para o aparecimento do câncer tem envolvido cada vez mais investimento em pesquisa nas áreas médica, biológica, epidemiológica e social. Alimentos congelados, excesso de açúcar, frituras, consumo de refrigerantes e álcool estão entre as causas possíveis. O sobrepeso e a obesidade também são comuns em todo o mundo e a taxa de sedentarismo chega  a 46% dos brasileiros.  

Todo mundo sabe que a atividade física é importante em todas as fases da vida e que nunca é tarde para iniciar um programa de exercícios. Cerca de 30% dos adultos em todo o mundo não seguem a recomendação da Organização Mundial de Saúde de realizar 150 minutos de atividade moderada, ou seja, 30 minutos por dia, cinco vezes por semana. Alterar o menu de comida é fundamental para ter uma mudança real. A educação nutricional e a atividade física fazem toda a diferença em um novo estilo de vida.

Um estilo de vida sedentário é responsável por uma proporção significativa de casos de câncer de cólon – cerca de 15% no Brasil. Os dados são alarmantes: cerca de 600 mil novos casos a cada ano. O câncer é a segunda principal causa de morte na população brasileira e atinge mais de 25 mil pessoas por ano. Estima-se que até 75 anos de idade, um em cada cinco brasileiros vai desenvolver algum tipo de câncer. Ele também é responsável por mais de 12% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da doença.

Como a esperança de vida no planeta tem melhorado gradativamente, a incidência de câncer, estimada em 2002 em 11 milhões de casos novos, alcançará mais de 15 milhões em 2020. Esta previsão, feita em 2005, é da International Union Against Cancer (UICC).

Não há dúvida de que o câncer é um enorme desafio à saúde pública e requer foco em ações emergenciais de prevenção e controle. Os constantes avanços na medicina permitem tratamentos altamente eficazes, que envolvem desde a remoção do tumor até o uso de quimioterapia ou radiação com o objetivo de remover as células cancerígenas. Infelizmente, a ação desses tipos de tratamento também afeta células saudáveis, causando efeitos colaterais significativos, desde perda de cabelo e diminuição da imunidade a efeitos que afetam diretamente nossa capacidade de viver com qualidade.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer dos Estados Unidos, 72% a 95% dos pacientes em tratamento apresentam aumento dos níveis de fadiga, resultando em redução significativa da capacidade funcional e perda de qualidade de vida e produção diária. Eles também passam por dificuldades na respiração, digestão de alimentos e até na vida sexual, entre muitos outros distúrbios.

A prática de exercício físico regular de maneira estruturada e com orientação adequada pode reverter essa situação, seja na melhoria da qualidade de vida do paciente ou na tolerância a vários tratamentos.

A atividade física pode ser benéfica de três maneiras para gerenciar o câncer e seus sintomas

• Combinando práticas saudáveis ​​de estilo de vida: o exercício parece impedir certos tipos de câncer – os casos da doença ocorrem com menos frequência em pessoas fisicamente ativas.

• Para quem já está em tratamento, o exercício beneficia a função física e alivia a fadiga, náusea e depressão. O exercício físico regular ajuda a controlar hormônios que estimulam a propagação de células cancerígenas.

• O exercício permite que as pessoas recuperem sua função física e retornem a um estilo de vida mais saudável e ativo.

Do ponto de vista científico, embora a relação entre atividade física e câncer ainda não esteja clara, os dados disponíveis são extremamente convincentes e permitem afirmar que grande parte das pessoas diagnosticadas com algum tipo de câncer devem investir em exercícios regulares com a mesma energia e dedicação que enfrentam cirurgia e outras formas de tratamento.

Os benefícios estão relacionados aos seguintes fatores:

• Estimular receptores de insulina nas células que combatem o câncer;
• Melhor função do sistema imunológico;
• Aceleração no metabolismo do ácido ascórbico;
• Redução da formação e evolução de tumores cancerígenos;
• Regulação de radicais livres;
• Melhor função do trato intestinal;
• Melhoria da autoestima, humor e qualidade de vida.

REFERÊNCIAS

Friedenreich CM, Wang Q, Neilson HK, et al. Atividade física e sobrevida após câncer de próstata. Eur Urol2016; 70: 576–85

Galvão DA, Taaffe DR, Spry N, et al. O programa combinado de exercícios aeróbicos e de resistência reverte a perda muscular em homens submetidos à terapia de supressão de andrógenos para câncer de próstata sem metástases ósseas: um estudo controlado randomizado. J Clin Oncol 2010; 28: 340–7

Martorelli S, Cadore EL, Izquierdo M, et al. O treinamento de força com repetições até o fracasso não fornece ganhos adicionais de força e hipertrofia muscular em mulheres jovens. Eur J Transl Myol 2017; 27: 6339


Por |2019-11-06T16:12:30-02:0006/11/2019|