*Por Roberta Andrade, instrutora Acqua do Market Place (São Paulo)

Quando se fala em treinamento para surf e bodyboarding, logo pensamos na necessidade da prática somente destes esportes em si. Entretanto, uma preparação considerada completa vai muito além do “pegar onda” diariamente.

Os praticantes devem estar submetidos a uma rotina de treinamento dentro e fora da água. O objetivo é desenvolver quatro aspectos de treino: físico, técnico, tático e psicológico. É importante lembrar que, se um desses aspectos não for bem treinado, o desempenho do atleta pode ficar comprometido.

Portanto, é imprescindível o desenvolvimento do condicionamento físico, visando todas as suas qualidades, inclusive o gesto motor. Além disso, o risco de lesão para o praticante pode diminuir.

Segundo estudo publicado por Steinman (1999), durante uma sessão de surfe, o praticante dedica de 5% a 10% do tempo surfando, deslizando a onda e executando técnicas; 35% a 45% esperando a onda; e 45% a 50% remando. A partir dessa informação e somando o fato das conhecidas “vacas”, momento em que o praticante permanece submerso na água em apneia (sem respirar), o treino físico na natação ajuda a oferecer ao praticante condição ideal para a prática do surf e do bodyboarding, tendo em vista que o sistema metabólico solicitado nas longas remadas é o aeróbio. Já nos momentos de explosão, como entrar na onda e atravessar a arrebentação, é o anaeróbio.

Portanto, a prática contínua e orientada da natação oferece ao praticante de surf e bodyboarding a construção de um condicionamento físico ideal para desenvolver resistência muscular, velocidade, força, potência e coordenação de gesto motor.

Pratique e tenha excelentes resultados. Boas ondas!