No mundo das atividades físicas, os benefícios para a saúde são inegáveis. No entanto, junto com a busca por um estilo de vida ativo, surgem também desafios inerentes, como as temidas lesões. Para entender melhor esse aspecto crucial da prática esportiva, o blog da BT foi em busca de respostas sobre as lesões mais comuns entre os praticantes de atividades físicas, e para isso, conversou com o cirurgião ortopedista Sérgio Maurício. 

Além de explorarmos as lesões mais frequentes entre os praticantes de atividades físicas, o Dr. Sérgio Maurício compartilhou insights valiosos sobre os tratamentos disponíveis e estratégias eficazes para prevenção e recuperação. 

Conheça os tipos de lesões

Segundo Sérgio Maurício, as lesões podem ser divididas em dois grupos distintos. O primeiro engloba aquelas provocadas por eventos súbitos, como torções durante partidas de futebol ou tênis, enquanto o segundo grupo são as lesões resultantes de movimentos repetitivos, comuns em corredores e nadadores.

Dentre as lesões agudas, o médico destaca estiramentos musculares, torções com comprometimento dos ligamentos e meniscos, além de rupturas de tendões. Já as lesões por movimentos repetitivos incluem tendinites, fascites e fraturas por estresse. Embora não sejam ocorrências diárias, demandam atenção e cuidado adequados.

Extensão das lesões e danos a curto e longo prazo

O cirurgião também abordou a extensão das lesões e os possíveis danos a curto e longo prazo. Ele ressaltou a importância de compreender que uma lesão não se limita apenas à dor momentânea, mas persiste ao longo do tempo, interferindo na rotina e nos treinamentos. Além disso, destacou a evolução do conceito de lesão, que agora é entendida não apenas como um processo inflamatório, mas como uma ruptura parcial das fibras musculares, tendíneas ou da fáscia.

Quais são as opções de tratamento?

Quanto aos tratamentos disponíveis, Sérgio enfatizou a importância de preservar ao máximo o tecido “original de fábrica”. Procedimentos como aplicação de ácido hialurônico, plasma rico em plaquetas (PRP) e células mesenquimais aspiradas de medula óssea podem ser necessários em lesões mais extensas, mas a prevenção de agravamentos é fundamental para uma recuperação eficaz.

Por fim, o médico ressaltou a importância da adaptação da rotina de exercícios e atividades diárias durante a recuperação, além de medidas preventivas para evitar futuras lesões. Ouvir o corpo e respeitar seus limites são essenciais para uma reabilitação bem-sucedida e para garantir a retomada segura das atividades físicas.