*Por Eduardo Netto, diretor-técnico Bodytech Company

Desde que você tenha as orientações adequadas de seu professor, o kettlebell pode ser uma ferramenta extremamente adequada para que você fortaleça inúmeros grupamentos musculares, em especial o core (região central do corpo).

O kettlebell, no entanto, assim como com qualquer outro acessório, pode ser responsável por inúmeras lesões, caso seja utilizado de forma inadequada. O uso correto requer o emprego da força, coordenação e muita prática, uma vez que a maioria dos exercícios necessita uma atenção especial à técnica durante sua execução. Os movimentos envolvem múltiplas articulações e grupos musculares, exigindo do praticante um tempo para se adaptar.

Aprenda a usar o kettlebell 

Recomendações para o bom desempenho:
Os exercidos básicos exigem bastante da musculatura das costas, em especial os extensores. É muito importante a utilização do core, principalmente no retorno do kettlebell à posição inicial.
– O exercício é predominantemente do quadril, portanto os joelhos devem realizar um mínimo de flexão, apenas para permitir que o quadril seja projetado para trás;
– Neste exercício, usamos a força do quadril para deslocar o peso para a linha da cabeça. Para isso, jogamos o quadril para trás e em seguida fazemos um forte impulso do quadril, para que, com a velocidade gerada, o peso possa subir sem usar a força dos braços;
– Mantenha sua visão no horizonte. Isso ajuda a manter a postura;
– A contração da região do core é muito importante. O peso desce com velocidade, portanto você deve contrair bem os músculos para receber e amortecer esse peso com segurança.

Recomendações para evitar erros:
– O maior erro que os iniciantes cometem é utilizar uma sobrecarga exagerada, pesada demais para executar o movimento com a técnica perfeita. Somente após o domínio do movimento devemos acrescentar sobrecarga;
Não deixe o tronco paralelo ao chão. Mantenha o peito alto, para frente;
– Os joelhos devem permanecer alinhados com os quadris e tornozelos;
– Não complementar a extensão dos quadris e joelhos potencializa o aumento da pressão entre o fêmur e a patela.