Depois de mais de um ano de pandemia, muitas pessoas já passaram pela experiência de ter Covid-19. Além de uma doença nova, ela se manifesta de diferentes formas e graus em cada paciente. Por isso, a volta aos treinos precisa ter atenção redobrada. Para entender como o retorno ao exercício físico pode acontecer após a Covid-19, nós conversamos com o diretor técnico da Bodytech Company Eduardo Netto, que tem estudado sobre o assunto e acompanhado na prática esse processo dos alunos. As orientações a seguir são baseadas em declarações de consenso de algumas entidades e não contemplam pessoas que têm Covid-19 pós-aguda ou persistente.

Quando voltar?

De antemão, quem precisou ser hospitalizado e ou apresentou sintomas contínuos, como dor no peito, dificuldade para respirar, palpitações ou sintomas que indicam estresse pós-traumático, deve passar por uma avaliação médica criteriosa antes de voltar aos treinos. Já quem não se enquadra nesse grupo e teve a forma leve da Covid, pode retornar após 7 dias sem sintomas (e, claro, depois do tempo de isolamento necessário). Esse início deve ser de esforço extremamente leve e com estímulos de intensidades mínimas. O automonitoramento é fundamental.

Como voltar?

O programa de retorno pode conter cinco fases, todas com período mínimo de sete dias para cada.

Fase 1- Fase de preparação

Estímulos : exercícios respiratórios , de equilíbrio, alongamento e caminhadas suaves.
Escala Subjetiva de esforço (1- 10) – Manter entre 2 e 3.

Fase 2 – Retorno a atividades de baixa intensidade

Estímulos : Caminhada e yoga de baixa intensidade
Escala Subjetiva de esforço (1- 10) – Manter entre 3 a 5

Fase 3 – Retorno a atividades de intensidade moderada 

Estímulos aeróbios e início dos estímulos de força, mas de forma bem gradual.
Estímulos:  Sugestão de iniciar com trabalho intervalado  de intensidade moderada sempre com intervalos de recuperação. Duração no máximo 30 minutos.
Escala Subjetiva de esforço (1- 10) – Manter entre 5 e 7.

Fase 4 – Retorno a atividades de intensidade moderada 

Estímulos: Aeróbios, força e início de estímulos de caráter funcional: Trote/corrida, musculação, aulas coletivas respeitando as intensidades e limitando a estímulos moderados.
Escala Subjetiva de esforço (1- 10) – Manter entre 6 e 8.

Fase 5 – Retorno a atividades pré-Covid
Estímulos:  Padrão de estímulos anteriores à doença
Escala Subjetiva de esforço (1- 10) – 7 ao nível tolerável.

Importância da atividade física

Em setembro de 2020, o carioca Marcos Figueiredo contraiu o vírus e precisou ser hospitalizado por uma semana. Após a saída, ficou em repouso em casa. “Senti muito cansaço no primeiro mês. Meus músculos pareciam gelatina.” Até novembro, o cliente da Bodytech São Clemente fez fisioterapia ainda em casa e só após ser avaliado por três médicos diferentes voltou aos treinos. “Retornei para BT, onde faço natação há mais de 8 anos, e tive apoio da professora Lorena”. Hoje, Marcos está totalmente recuperado de acordo com exames clínicos.

Muitos efeitos de longo prazo da Covid-19 são desconhecidos. Algumas pessoas também podem apresentar sintomas persistentes, incluindo falta de ar, dores musculares, perda de estamina e exaustão. Por isso, para concluir, Netto reforça a importância da cautela. “A recomendação é que você procure  um profissional de saúde para se certificar de que está progredindo de forma adequada e monitore e avalie os sinais do corpo”, explica. Além disso, máscara e distanciamento seguem como medidas obrigatórias para um treino seguro.