Se você costuma ter dificuldades para se agachar, pegar objetos mais altos ou até mesmo executar exercícios com uma maior mobilidade, significa que a sua flexibilidade não anda muito boa.

A flexibilidade é a capacidade dos músculos e tecidos conjuntivos funcionarem de forma ideal para que uma articulação possa atingir sua amplitude total de movimento.

Importância da flexibilidade

De acordo com Bianca Pichirilli, educadora física da Vitat, melhorar a flexibilidade é extremamente importante, pois músculos encurtados não produzem força. Se não treinamos flexibilidade, estamos mais suscetíveis às dores. 

“Ao treinar, é importante buscar amplitudes maiores no movimento. Mas isso não acontece quando não treinamos flexibilidade”, explica.

Quando executado da maneira correta, o treino de flexibilidade pode trazer diversos benefícios. Confira alguns deles abaixo:

  • Minimiza os quadros de dor e desconforto;
  • Previne de lesões;
  • Melhora o desempenho das atividades e tarefas diárias e também das atividades físicas;
  • Aumenta o condicionamento físico;
  • Melhora a circulação sanguínea.

Como aumentar a flexibilidade?

Para o educador físico da BodyTech, Eduardo Netto, o ideal é que os programas de treinamento de flexibilidade incluam alguns estímulos, incluindo liberação miofascial, alongamento estático e/ou dinâmico, e ativação da musculatura oposta que está sendo alongada.

“Recomenda-se manter um alongamento por 10 a 30 segundos até o ponto de enrijecimento ou de leve desconforto (sem que haja dor) para aumentar a amplitude de movimento articular, e parece haver pouco benefício adicional em manter o alongamento por duração maior”, explica o especialista.

Ainda de acordo com Eduardo, os exercícios de flexibilidade devem ser repetidos duas a quatro vezes. O tempo, a duração e a quantidade de repetições deve ser ajustada conforme as necessidades individuais (ACSM, 2016). Além disso, o ideal é realizar os movimentos de 2 a 3 dias por semana. 

Mas se você sente dores ao se alongar, algo está errado. Bianca lembra que é normal não ser algo confortável. “Dores agudas também não são normais, isso pode sinalizar alguma lesão ou algo crônico. Procure liberação médica antes de iniciar seus treinos, e procure sempre ter seus treinos orientado por um profissional de educação física.”

Fonte: Bianca Pichirilli, educadora física da Vitat e Eduardo Netto, educador físico da BodyTech.