Descubra por que é tão fácil recuperar os quilos que já perdemos

//Descubra por que é tão fácil recuperar os quilos que já perdemos

Descubra por que é tão fácil recuperar os quilos que já perdemos

*Por Priscilla Martins, endocrinologista

Quem perde peso sabe que é uma a batalha diária não recuperar os quilos perdidos. Parece que o nosso corpo “sabe” que perdemos peso e tenta recuperá-los. Mas como o nosso corpo consegue detectar essas alterações de peso?

Uma explicação para isso é que a leptina, um hormônio produzido principalmente no tecido adiposo (gordura), varia a sua concentração de acordo com o nosso peso. Quando emagrecemos produzimos menos leptina e nosso hipotálamo (uma região do nosso cérebro) percebe isso, concluindo que a massa gorda diminuiu e que é necessário comermos mais: sentimos fome.

Mas seria só isso? Claro que não, o nosso corpo é bem mais complexo. Os pesquisadores descobriram recentemente um mecanismo que funciona como uma “balança” interna, usando as extremidades inferiores do corpo para estimar o peso e controlar o apetite, aumentando ou diminuindo a gordura corporal de acordo com a necessidade. As células dos ossos no nosso corpo receberiam sempre uma carga parecida de peso, dia após dia. Quando emagrecemos, essa carga se reduz e haveria um estímulo para o aumento do apetite e aumento de peso. 

Esse é um dos motivos pelos quais pessoas que permanecem muito tempo sentadas têm um maior risco de se tornarem obesas. Quando estamos nessa posição, a nossa “balança” interna é enganada e faz nosso cérebro pensar que somos muito mais leves do que a realidade. Em função disso, são emitidos sinais para aumentar nossa ingestão calórica com o objetivo de “retornar” ao peso que nosso corpo está acostumado.

O estudo foi feito apenas em camundongos, mas os cientistas acreditam que um mecanismo de controle parecido está presente em humanos. Essa descoberta pode nos ajudar a compreender como a obesidade se desenvolve e abrir espaço para novos tratamentos. E qual é a lição da pesquisa? Levante-se do sofá e movimente-se mais!

Por |2018-11-07T20:25:00+00:0001/03/2018|

Sobre o Autor: