*Por Karina Vela, atleta e apresentadora

Quando não conhecemos um país tendemos a ter uma imagem dele muito reduzida. Ao perguntar sobre o Peru para um leigo ou até mesmo para quem foi ao país só uma vez, você provavelmente vai ouvir falar de Machu Picchu ou das ondas perfeitas para a prática do Surfe. Esse país relativamente pequeno em comparação ao Brasil abriga praias, deserto, glaciares e parte da Amazônia. Sabendo disso, é possível imaginar quantos lugares paradisíacos você encontra por lá.

Na minha última viagem ao Peru, peguei um avião para Tarapoto e de lá fui para uma cidadezinha chamada Rioja. Eles chamam essa região de Selva, e ela faz parte de Alto Mayo, que ganhou o título de uma das 7 Maravilhas do país em uma votação popular. A paisagem é completamente diferente da capital Lima, que quase não tem verde e é bem desértica. Minha intenção era conhecer algumas cataratas, cavernas e sítios arqueológicos da região.

Existem muitas cachoeiras por ali e, para quem não tem preparo físico, já é possível se deliciar com a Catarata Ahuashiyacu, que tem uma queda de 35 metros. Para as mais bonitas, porém, você precisa fazer caminhadas longas – eu indico as de La Gera e Tunun Tunumba. Um dos programas que mais me impressionou foi visitar as Cuevas Palestinas. É muito fácil de chegar e ao mesmo tempo são muito intocadas. Você pode pegar um mototáxi de Rioja a Nueva Cajamarca e de lá ir a um povoado chamado Palestina em apenas 35 minutos.

Chegando lá, você recebe uma explicação sobre o local e tem duas opções de passeio. Sem dúvidas, indico o mais demorado – é o que tem as cavernas inundadas – porque é bem mais bonito. Tem que ter disposição para se molhar e passar por cima de uns cabos de aço em alguns pedaços mas achei muito tranquilo. Essa caverna tem mais de 60 milhões de anos e é considerada a terceira caverna mais profunda do país, com 3500 metros de profundidade. Você caminha entre espeleotemas que parecem esculturas feitas à mão, além de encontrar aves e morcegos.

Ali você também vê a nascente do Rio Jordan, com águas cristalinas. É preciso estar com lanternas potentes e acompanhado de um guia. Se perder naquele labirinto é fácil. Parece que você está em outro planeta.

Para finalizar, você pode ir para a região do Amazonas, chamada Chachapoyas, localizada nas encostas orientais dos Andes, a 215 km de Rioja. A estrada não é fácil: é bem estreita e beira o precipício, por isso os 215 km viram muitas horas.

Os chachapoyas habitaram a região amazônica peruana

Chegando a Kuelap, você encontra as ruínas da civilização Chachapoya. A exuberância não é igual à Machu Picchu, que está no meio de um vale de montanhas, mas é uma civilização que foi descoberta a menos de 200 anos e a sensação de se estar descobrindo nossos antepassados é incrível.

Karina visita a região de Kuelap

Recentemente, eles fizeram um teleférico que leva você ao topo de Kuelap em 20 minutos – antes era preciso subir caminhando. Explorar o desconhecido requer coragem mas é assim que você chega a lugares incríveis. O Peru tem várias faces e elas te surpreendem sempre.