Como a meditação ajuda a desconectar

//Como a meditação ajuda a desconectar

Como a meditação ajuda a desconectar

Os benefícios de meditar finalmente estão ganhando mais visibilidade nas discussões sobre bem-estar, felicidade e equilíbrio. Prática milenar, a meditação nada mais é que um conjunto de técnicas para atingir um estado elevado de concentração. Falando assim, parece algo de outro mundo, mas a verdade é que a meditação pode ser para todos e é muito mais simples do que você imagina. Não tem idade, gênero e nem momento ideal para começar. Um exemplo disso é o Eduardo Netto, diretor técnico da Bodytech Company. Depois dos 50 anos e com uma rotina repleta de compromissos e responsabilidades, Dudu decidiu experimentar e se apaixonou. Conversamos com ele sobre benefícios, técnicas para dar o primeiro passo e muito mais. Confira!

Blog BT: Como é sua experiência com a meditação? Você faz todos os dias? 

Eduardo Netto: Comecei há três meses. Fiz um curso de meditação transcendental com quem eu considerado uma das maiores autoridades no assunto, Kleber Tanit. Tive a felicidade de tê-lo como professor. Acredito que o grande segredo seja a regularidade. A recomendação é fazer duas vezes ao dia por vinte minutos cada. Parece impossível, mas é plenamente factível desde que abrimos mãos de coisas menos relevantes.

“Meditar é algo simples, sem esforço: um estado de não fazer nada”

Blog BT: Como ela te ajuda no dia a dia? Em quais momentos da vida a meditação foi ou é fundamental para você? 

Eduardo Netto: Nós vivemos em tempos extremamente estressantes. Estamos a cada dia que passa mais conectados e lutamos para equilibrar vida pessoal e trabalho. A tecnologia nos permite a conexão e o entretenimento, mas ela também pode impactar negativamente em nossa capacidade de permanecermos ancorados e presentes. A agenda sempre lotada e o excesso de trabalho nos levam a pagar um alto preço. A meditação me ajuda a desacelerar a cabeça, dar um tempo para estar mais presente, com a mente no agora.  

Quando se começa a fazer meditação, dá para perceber que pequenas coisas passam a não incomodá-lo tanto, maravilhosas coincidências surgem mais frequentemente (ou pelo menos você começa a notá-las). Você passa a precisar  de menos coisas materiais para se satisfazer. Você fica mais ciente do momento presente. Quando você está com seus filhos ou seu parceiro, você está realmente com eles. Fora que a confiança em si mesmo aumenta, suas conversas e amizades vão um pouco mais fundo. Mesmo as pessoas que você não gosta começam a parecer mais agradáveis.

Blog BT: Por que você recomenda? Quais são os benefícios de meditar? 

Fiquei muito curioso e comecei a estudar o assunto. Muita gente não sabe, mas existem muitas evidências científicas a cerca dos benefícios da prática. Dentre eles, vale destacar a diminuição do estresse, da ansiedade e da pressão sanguínea. A meditação ainda reduz a sensibilidade à dor, aumenta a conscientização, melhora o sono, a memória, a produtividade e o humor.

Blog BT: Seus alunos meditam? Tem alguma história legal para compartilhar?

Eduardo Netto: Sim, muitos deles.  Mas o mais interessante é que a grande maioria desconhece o quanto é fácil praticá-la.  Alguns estudos indicam que 80% das pessoas que meditam fazem nos períodos de crise e 10 % são aqueles fiéis praticantes, grupo que pretendo entrar, e o restante são os que realmente abandonam e não conseguem meditar. Eu faço uma analogia bem interessante. Quando você está com cárie e vai ao dentista, ele com certeza vai recomendar a escovação frequente para prevenção, mas caso você só faça quando tiver cáries, o problema nunca será resolvido. O segredo é disciplina e regularidade.

Blog BT: Para quem ainda não começou, como dar o primeiro passo?

Existem muitos guias disponíveis na internet que podem funcionar no primeiro passo, mas basicamente são estas etapas:  

  1. Observe sua respiração: perceba ar que entra no nariz e expire-o lentamente. Depois estabeleça um ritmo. Você pode, por exemplo, começar inspirando em um tempo e expirando o dobro deste tempo. 
  2. Coloque sua concentração em um mantra, uma palavra, sua respiração, seu corpo ou até um objeto.
  3. Solte o foco e experimente o nada.
  4. Pensar. Quando um pensamento aparecer em sua cabeça, reconheça-o e deixe-o ir.
  5. Repita a etapa 2.
Por |2019-09-10T12:17:51-02:0010/09/2019|

Sobre o Autor: