Para a pré-fermentação:
10g de fermento biológico
3/4 de xícara de água morna (tolerável ao toque)
1 colher de sopa de demerara batido

Modo de fazer:
Junte tudo e deixe descansar por 5-10 min até formar uma esponja (eu deixo dentro do microondas desligado).

Massa:
4 ovos
5 colheres de sopa de azeite
3/4 xícara de quinoa cozida
1/2 xícara de farinha superproteica Teff (quem não tiver pode usar a de arroz, mas a textura é diferente)
1/2 xícara de polvilho doce
1 xícara de farinha de linhaça dourada ou farinha de chia
1 xícara de farinha de amêndoas
1 colher de sopa de farinha de grão de bico
1 colher de sopa de fécula de batata
1/2 colher de chá de goma guar (espessante natural para dar liga a massas sem glúten, encontrada em lojas de produtos naturais)
1 colher de sobremesa da fibra Psyllium (ela dá maciez e liga às massas, mas não tem substituto. Se não tiver não coloca)
3/4 xícara de azeitonas verdes e pretas picadinhas (opcional)
1 colher de chá de sal rosa
Temperos e ervas a gosto
Gergelim negro para o topo

Modo de fazer:
Misture os líquidos e os secos separadamente.
Depois una os dois com um fouet ou espátula.
Adicione a esponja formada na pré-fermentação e misture mais.
Coloque em uma forma untada com azeite e polvilhe o gergelim.
Leve ao forno 180 graus por 20-25 minutos.

Fernanda Pereira Carneiro tem 28 anos e é uma jornalista carioca que trocou blocos e canetas por avental e panelas. A paixão pela culinária sempre existiu, mas o amor pela gastronomia funcional nasceu depois que emagreceu 19kg e sentiu a necessidade de criar pratos que fossem além da salada com frango grelhado. Por ter uma queda por doces, aprendeu que basta criatividade e uma boa xícara de dedicação diária para poder inseri-los em qualquer dieta e no site Leve Me.