4 atitudes para cuidar da sua saúde mental na pandemia

//4 atitudes para cuidar da sua saúde mental na pandemia

4 atitudes para cuidar da sua saúde mental na pandemia

Durante a pandemia de coronavírus, a imprevisibilidade, o medo e a necessidade de nos distanciar para nos manter protegidos atingem em cheio nossa saúde mental. O que fazer então para amenizar tudo isso? Não existe uma resposta certa, mas algumas atitudes recomendadas por especialistas podem ajudar a encarar os dias sob outra perspectiva.

De acordo com Denise Gobo, psiquiatra da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), as principais preocupações dos seus pacientes estão relacionadas ao receio de contrair a doença e de perder o emprego e ou a renda, mas também com a dinâmica da casa, tanto para quem mora sozinho e precisa lidar com a solidão, quanto para quem mora com a família e está o tempo todo em contato com filhos e companheiro(a).

Definitivamente é um período de vários desafios que nos colocam  diante de problemas antigos, que parecem ganhar ainda mais peso agora, como explica Gabriela Malzyner, psicóloga e professora do Curso em Formação de Psicanálise (CEP/SP):

O isolamento produz uma lente de aumento para questões que já estavam lá e que ficam mais afloradas pelo excesso de convivência. Não viramos outra pessoa, tudo é que fica mais intenso.

Algo muito comum e que não ajuda é a tendência de manter os pensamentos no futuro e apenas aguardar ‘tudo passar’ para ter uma rotina ou colocar projetos em prática. Segundo Gabriela, o ideal é não fazer projeções a longo prazo e caminhar dia após dia. “Se antes já se falava em mindfulness, esse conceito agora é ainda mais urgente: entender e assumir que a gente não sabe o amanhã, mas pode aproveitar o hoje.”

1 – Não tente controlar tudo

Na análise da psiquiatra Denise Gobo, o momento de introspecção pode servir para refletir sobre o que de fato eu posso controlar em relação aos meus medos e o que eu não posso. Por exemplo, não podemos controlar se todos vão tomar os cuidados necessários, mas posso me esforçar para fazer minha parte. “Eu oriento meus pacientes a focarem os pensamentos e as energias em coisas que eles podem de fato controlar e traçar metas curtas durante o dia”, aconselha.

2 – Tenha metas fáceis e exercite-se

O momento não é de se cobrar demais. A médica recomenda estipular metas com atividades possíveis naquela semana que se inicia, sem muita intensidade. Fazer exercício também está entre seus conselhos.

O exercício aumenta a qualidade do sono, ajuda a amenizar as dores corporais e diminui muito os quadros leves de ansiedade e depressão.

3 – Notícias só de manhã

Outra dica da psiquiatra é entrar em contato com notícias sobre a pandemia no início do dia, nunca perto da hora de dormir. Isso é importante para dar tempo de digerirmos as informações e não levar para a cama as angústias. No fim do dia, segundo ela, o melhor é assistir filmes e fazer leituras sobre assuntos que te interessem e que não tenham ligação com o momento atual.

4 – Áudio e vídeo

Em relação ao contato com os familiares, a médica aconselha que além da ligação em áudio, se faça por vídeo. A imagem ajuda a perceber a pessoa de outra forma e ajuda na interpretação da fala, além de dar uma sensação de maior proximidade.

Diante do imprevisível, não existe fórmula mágica. Mas abrir a janela, fazer a cama, tomar um banho tranquilo, ter horários para fazer as refeições e tomar os cuidados possíveis para se proteger são um bom começo para atravessar a pandemia.

Por |2020-05-20T14:51:41-03:0018/05/2020|